terça-feira, 14 de maio de 2013

Easy Way Out



Não sei se vocês conhecem a música “Easy Way Out” do Gotye, mas é uma música que relata bem como eu tenho me sentido ao fim destes quase cinco anos de curso. É me formo no fim do ano, yeahh..! Finally! Bem  para os que não conhecem vou deixar o link do vídeo e a letra, vale a pena conferir. ;)
Desde que conheci esse cantor com o boom na internet do vídeo da música “Somebody I Used To Know” tenho me apaixonado pelo trabalho dele. Na minha opinião mais atual que ele não há! Ele trabalha diversas questões da modernidade/contemporaneidade/pós-modernidade(cabe a cada um escolher como chama-la, cada uma tem uma prerrogativa filosófica). Não vou entrar neste mérito, mas para mim ainda não saímos da modernidade. Sou amante da Psicanálise e os psicanalistas que me desculpem, discordo com o conceito de pós-modernidade. O álbum todo “Making Mirrors” é perfeito e aborda tais temáticas, entretanto a música que mais me chama a atenção é “Easy Way Out” e o videoclipe faz jus a letra e o que ela quer expor.
Me identifiquei muito pois a graduação, acredito que de forma geral, gera uma fadiga, um cansaço crônico. Ficamos meio que robotizados e alienados em alguns pontos. Tenho vivido uma fadiga inclusive intelectual que tem afetado meu desempenho em certo ponto, inclusive na monografia. Esta ultima tem um outro fator complicador, que só digo uma coisa: Escolham bem seu orientador ou mudem se estiverem descontentes. E pra piorar minha mente tem funcionado a mil pra outros pontos, estou pensando em investir em um outro projeto, ficaram sabendo quando deixar de ser um pensamento e virar realidade. ;)
Acredito que não sou só eu que se sente desta forma, observando minha turma e meus amigos consigo ter a mesma percepção, está em um nível tão crítico que nem consegue-se mais disfarçar. Um pensamento que me acalenta é a tão esperada e sonhada Formatura. Enfim serei uma Psicóloga..yeahh! Depois começara uma nova escalada, e penso será renovada as minhas energias. Novos horizontes a caminho, muitos planos e pensamentos mas nada deste ano acabar e junto com ele meu sofrimento universitário. 

Voltando a música e seu autor/cantor, vejo em sua obra uma relação com Psicanálise, ele retrata o sujeito da atualidade e suas vivências. Ele nos retrata muito bem. O estresse, as cobranças, o gozo ou a falta dele muitas vezes. A busca por objetos compensatórios, pois vivemos tão exigidos por este tempo cronológico que vai de contrapasso com o sujeito, com o tempo do sujeito que nos consome. Nosso tempo é lógico e isso gera um atrito, uma angústia, um sentimento de desespero e solidão, porque não damos conta da demasiada demanda que estamos tendo – e não temos que dar conta mesmo. Tudo pra ontem, e lá ficamos nós de lado mais uma vez em prol de alguma obrigação. E muitas vezes ao invés de tentarmos desalienar nos alienamos mais em fugas vazias e desprovidas de sentido, apenas para satisfazer o gozo. Para a nossa sociedade atual é ótimo, pois usamos como escape as compras, as baladas sem fim, a comida, as drogas e etc. Divertir-se é importante, saudável quando não se torna uma mera fuga da realidade esmagadora. Tem se tornado um verdadeiro desafio não adoecer atualmente.
 





Easy Way Out
Seventeen seconds and i'm over it
Ready for the disconnect
Putting on a brave face
Trying not to listen
To the voices in the back of my head
(but it's alright now)
It's a distant memory baby
(it's alright now)
You know you should just let it go
But some feelings have a habit of persisting
Even though you wouldn't let it show
Wearing me out
(all this)
Hanging around
(it just starts)
Getting me down
('till i'm just)
Looking for an easy way out
Braindead from boredom
I'm led to distraction
Scratching the surface of life
Nothing really happens
But it's easy to keep busy
When you tell yourself you're traveling right
(but it's alright now)
Was it really worth it baby?
(it's alright now)
Was it just a waste of time?
Keep on second-guessing
Use my memory like a weapon
On everything i try